Catálogo de Recursos Geotérmicos em Portugal Continental

Catálogo de Recursos Geotérmicos  |  Outras Ocorrências  |  Ver no Mapa  |  Imprimir  |  Fechar Janela

Caldas de Monchique

Situação Administrativa: Concessão hidromineral - Processo nº HM 6
Localização
    Lugar: Caldas de Monchique
    Freguesia: Monchique
    Concelho: Monchique
    Distrito: Faro
    Carta Militar: Folha nº 585, escala 1:25 000 Ver Carta
Coordenadas Militares (sistema Hayford-Gauss referidas ao ponto central)
    M: -37 320 m
    P: -264 425 m
    Cota: 200 m
Captações: Nascentes S. João, Pancada 1 e 2, Santa Teresa, Abaixo de S. João 1 e 2, Abaixo de Santa Teresa, Chagas
Temperatura Máxima Registada: 32º C
Outras Valências do Recurso: Termalismo   Engarrafamento

 AMBIENTE GEOLÓGICO E CONTROLO GEOLÓGICO-ESTRUTURAL

As nascentes das "Caldas de Monchique" estão relacionadas com a circulação de água em profundidade no interior do maciço eruptivo sub-vulcânico de Monchique, de forma elíptica com cerca de 65 Km2 e de natureza litológica essencialmente sienítica, que se instalou no seio da Formação de Brejeira do grupo Flysh do Baixo Alentejo.

O afloramento é atravessado por um vale de fractura de direcção NE-SW ao longo do qual emergem as nascentes termais, numa área bastante restrita e nas proximidades da zona de contacto da intrusão sienítica com xisto encaixante da Formação de Brejeira de idade carbónica.

O sistema de circulação das águas neste maciço consiste, fundamentalmente, na percolação das águas através do sistema de fracturas existente no interior do mesmo. As águas, infiltradas nos sectores mais fracturados superficialmente do maciço, evoluem em profundidade para a periferia deste. Durante o seu percurso no interior do maciço, as águas sofrem um aquecimento significativo, desenvolvendo reacções químicas  com o material rochoso em que circulam, justificando-se assim a temperatura que apresentam nas emergências à volta dos 30ºC e a sua composição físico-química específica e constante ao longo do ano.

A primeira barreira à progressão do escoamento subterrâneo é constituída por uma orla de corneanas de grão fino e negro que ocorre em bancadas de direcção NNW-SSE com inclinação para NE, pouco permeáveis, resultante do metamorfismo de contacto, pelo que as águas tendem a ascender nos limites do maciço até alcançar a zona deprimida da superfície topográfica, a confluência das ribeiras do Lajeado e Banho; esta barreira é reforçada pela presença do flysh que em profundidade se deve apresentar ainda menos permeável que o sienito.

Estas águas apresentam composição química semelhante e brotam a temperaturas variáveis entre os 27ºC e os 31,5ºC em consequência, provavelmente, dos diversos trajectos de escoamento.

Segundo um estudo realizado pela Geoestudos (1992), a existência de teores de sílica em concentrações muito baixas e em menor quantidade que o verificado nas águas sub-superficiais da área envolvente é devido a fenómenos que impedem o contacto do solo com as águas destinadas à circulação profunda, o que significa a localização das áreas de recarga nas zonas mais altas do afloramento, onde os solos não se desenvolvem e a tectonização é intensa, de modo a criar espaços relativamente abertos que permitem uma infiltração rápida, não dando oportunidade à água de dissolver a sílica. Este fenómeno deve verificar-se igualmente durante o percurso ascensional da água.


50_monchique_Leg.png (99149 bytes)
Excerto da Carta Geológica de Portugal Folha nº 7 na escala 1:200 000

 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA (26-06-2006)

CONSTANTES FÍSICO-QUÍMICAS E SUBSTÂNCIAS NÃO DISSOCIADAS
pH 9.60 Dureza total (p.p. 105 CaCO3)  2.00
Condutividade (µS/cm) 460.00 Sulfuração total (ml de I2 0.01 N) -
Alcalinidade (ml/l de HCl 0,1 M) 130.00 Sílica (mg/l de SiO2) 8.30
Resíduo seco a 180º (mg/l) 295.00 Dióxido de carbono livre (mg/l de CO2) <3.00
ANIÕES (mg/l)
Fluoreto 1.20
Cloreto 38.00
Bicarbonato 111.00
Sulfato 52.00
Nitrato < 0.30
Nitrito < 0.01
 
SOMA 202.51
CATIÕES (mg/l)
Lítio -
Sódio 109.00
Potássio 2.30
Magnésio <0.10
Cálcio 0.82
Ferro < 0.03
Amónio <0.05
SOMA 112.30
RESUMO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA (mg/l)
Aniões 202.50
Catiões 112.30
SOMA 314.80
QUIMISMO

Fracamente mineralizada.

Bicarbonatada Sódica.

 BIBLIOGRAFIA

INSTITUTO DE HIDROLOGIA DE LISBOA (1991) - Relatório da análise da "Água das Caldas de Monchique".

LABORATÓRIO DA DGGM (1987) - Análise química completa das águas das várias nascentes das Caldas de Monchique.

LABORATÓRIO DO IST (2006) - Análise química para controlo de estabilidade da água da Nascente S. João das Caldas de Monchique (Boletim N.º 05443/06, de 26-Jun-06).

HERCULANO DE CARVALHO, A. (1950) - Análise das águas das Caldas de Monchique.

LEPIERRE, C. (1928) - Instituto de Hidrologia - Caldas de Monchique.

GEOESTUDOS (1992) - Caldas de Monchique - Perímetros de Protecção e Plano de Exploração.

GRAÇA, HENRIQUE (1995) - Análise de risco para as emergências de Monchique.

 

 

Página Inicial  Pesquisa | Contactos | Bases de Dados Online | SIG Online | INETI © 2006  e-Geo - Sistema Nacional de Informação Geocientífica / INETI