Glossário de Termos Hidrogeológicos


ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ
Aberturas do Filtro
Parte perfurada da tubagem utilizada no revestimento de um furo, que permite a entrada de água no mesmo e o acesso à bomba.

No caso dos furos de desenvolvimento natural, as aberturas do filtro são determinadas pelos resultados das análises granolumétricas efectuadas em amostras representativas do aquífero.

Nas formações homogéneas, constituídas por areias finas uniformes, o filtro deve poder reter de 40 a 50% do material. Nas formações homogéneas constituídas por areias e cascalho, o filtro deve poder reter de 30 a 50% do material.

No caso das formações não homogéneas ou aquíferos estratificados, as aberturas do filtro devem adequar-se ao material das diversas porções do aquífero.

Abrandamento da Água
Processo utilizado no tratamento de água, que consiste na remoção total ou parcial de Cálcio (Ca) e Magnésio (Mg) nela presente, quase sempre na forma de carbonatos, bicarbonatos, sulfatos e cloretos, que são determinantes na dureza da água.
Absorção
Processo através do qual substâncias sólidas, líquidas ou gasosas são dissolvidas ou misturadas em outras substâncias.
Absorção Específica
Quantidade de água introduzida num furo de recarga, por unidade de tempo e unidade de elevação do nível piezométrico.

Este termo também é aplicado à razão entre a quantidade de água que pode ser retida por um solo e a quantidade total de água contida no solo saturado, ou o volume total de poros do solo.

Acção Capilar
Acção devida à capilaridade, ou seja, à movimentação ascendente da água nos interstícios de um meio poroso provocada por forças capilares.
Acidez da Água
Quantidade de ácido necessária para titular uma amostra a um determinado valor do pH.

Este parâmetro é expresso em miliequivalentes de uma base forte por litro de água (meq/l).

É rara em águas subterrâneas.

Acidificação
Introdução de ácido em rochas carbonatadas de forma a aumentar a permeabilidade por dissolução de parte dos constituintes.

A acidificação também é utilizada na limpeza de filtros.

Actividade Poluidora
Qualquer actividade capaz de causar poluição ou degradação ambiental. As actividades poluidoras são eminentemente antrópicas.
Aditivo do Solo
Qualquer substância química que, adicionada ao solo, modifica as suas características físicas e a capacidade de infiltração da água no mesmo.
Adsorção
Fenómeno que se verifica quando os iões ou moléculas de um fluído aderem às paredes dos sólidos que constituem o meio poroso.
Adubo Químico
Substância química que se mistura à terra para fertilizá-la.

O mesmo que fertilizante.

Aeração
Processo que consiste em acrescentar oxigénio ou ar, utilizado no tratamento de águas poluídas. O aumento do oxigénio promove a acção de bactérias que decompõem os poluentes orgânicos.
Aeração do Solo
Relativo à presença de ar no solo que é fundamental para a vida das árvores, por estas necessitarem de oxigênio para a respiração. Quanto mais poroso e solto o solo, melhor a aeração.
Afloramento
Toda e qualquer exposição directa, observável, de rochas na superfície da Terra, que pode ser natural (em escarpas) ou artificial (em escavações).
Afluência
Fluxo de entrada num aquífero.
Afluente
Curso de água que desagua num curso maior ou num lago.

O mesmo que tributário.

Agricultura
Actividade desenvolvida pelo Homem, tanto no meio rural como no meio urbano, que consiste na exploração racional do solo para obtenção de produtos vegetais.
Agroquímico
Produto químico sintético utilizado na agricultura, como é o caso dos pesticidas e fertilizantes.
Agrotóxico
Substância ou composto utilizado na prevenção ou controle de pragas, regulação do crescimento das plantas, como desfolhante ou dessecante. O uso indiscriminado destas substâncias prejudica as plantas, animais, o próprio homem e o ambiente.
ÁguaClique para ver a Imagem
Substância química natural, estável, composta por duas moléculas de hidrogénio e uma de oxigénio, ligadas por covalência numa disposição tetraédrica e polarizada.

A água provém da chuva, podendo formar cursos de água, lagos e mares ou infiltrar-se e acumular-se na zona saturada do solo. Pode ocorrer naturalmente em três estados físicos, sólido, líquido ou gasoso, encontrando-se no estado líquido entre os 0ºC e os 100ºC, à pressão atmosférica.

A água pura é uma substância incolor, inodora, sem sabor e muito activa, podendo facilmente dissolver e reagir com outras substâncias. A sua condutividade eléctrica é muito baixa podendo, no entanto, tornar-se num bom condutor, quando possui substâncias dissolvidas. Na natureza, a água na fase líquida contém pequenas quantidades de água pesada, gases e sólidos dissolvidos.

A água possui propriedades físicas e químicas muito especiais que determinam a existência de vida e influenciam o aspecto externo da Terra, constituindo por isso, um recurso natural extremamente valioso.

Água Ácida
Água com dióxido de carbono em excesso. Este termo também se aplica a águas naturais que contêm enxofre, especialmente sulfatos.

O mesmo que água agressiva.

Água AderenteClique para ver a Imagem
Água fixada num meio poroso devido à atracção molecular entre a superfície dos grãos dos sedimentos e/ou paredes fissurais e as moléculas da água.

O mesmo que água higroscópica, água pelicular e água de adesão.

Água Adsorvida
O mesmo que água aderente.
Água Agressiva
Água com pH ácido, o que lhe confere uma acção corrosiva. O pH ácido deve-se principalmente ao conteúdo em anidrido carbónico dissolvido.

O mesmo que água ácida.

Água Alcalina
Água com pH superior a 7 (sete).
Água ArtesianaClique para ver a Imagem
Água subterrânea confinada por camadas impermeáveis, sem contacto directo com a atmosfera e submetida a uma pressão superior à pressão atmosférica.

Num furo que capta água artesiana, o nível da água no furo (nível piezométrico) está acima do limite superior do aquífero.

Água Atmosférica
Água presente na atmosfera, no estado gasoso, líquido ou sólido.
Água BrandaClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água com dureza inferior a 50 ppm de CaCO3.
Água Bruta
Água que não foi submetida a qualquer tipo de tratamento podendo ser encontrada naturalmente nos rios, riachos, lagos, lagoas ou aquíferos.
Água Calcária
O mesmo que água dura.
Água CapilarClique para ver a Imagem
Água existente na zona vadosa, proveniente da zona de saturação devido a fenómenos de capilaridade.

A água capilar encontra-se acima da água higroscópica e abaixo da capacidade de campo.

Água Congénita
Água fóssil, aprisionada no momento de formação dos sedimentos. Geralmente, a água é expulsa quando se dá a compactação e cimentação dos sedimentos mas, em determinadas circunstâncias, pode ficar retida, constituindo a água congénita ou de imbibição.

Também designada por água fóssil ou água de formação.

Água Contaminada
Água que possui organismos patogénicos, substâncias químicas, tóxicas e/ou radioactivas em teores prejudiciais à saúde do Homem.
Água da Chuva
Água no estado líquido, proveniente da precipitação.

A água da chuva pode absorver do ar algumas substâncias, como é o caso do dióxido de carbono, que reage com a água para formar ácido carbónico. Quando a água da chuva, contendo dióxido de carbono, penetra no solo e contacta com as formações litológicas, dissolve diversos elementos, como é o caso do cálcio e do magnésio.

Água de Abastecimento Público
Água fornecida pelas redes públicas. Pode ser bebida directamente ou utilizada como produto alimentar na preparação de alimentos, produto de higiene pessoal, produto de apoio para a actividade comercial e pequenas indústrias sem exigências específicas de qualidade, produto para limpeza pública, na rega de espaços verdes e para apoio em actividades lúdicas.
Água de Adesão
O mesmo que água aderente.
Água de Adsorção
O mesmo que água higroscópica, água aderente e água pelicular.
Água de Constituição
Água que faz parte da constituição química dos minerais.
Água de Escorrência
Água da chuva que circula sobre a superfície do terreno e que alimenta directamente os cursos de água.
Água de Esgoto
Água de consumo de um centro urbano, rejeitada depois de ter sido contaminada por diversos usos. A água de esgoto também pode corresponder a uma mistura deste tipo de água com resíduos urbanos, do tipo doméstico, municipal e industrial, juntamente com águas subterrâneas, superficiais e pluviais.
Água de Formação
Água retida nos interstícios de uma rocha sedimentar desde a sua formação.

O mesmo que água congénita ou água fóssil.

Água de Imbibição
O mesmo que água congénita.
Água de Infiltração
Água que penetra no solo ou rocha através de poros, fissuras, fracturas ou diaclases, ocupando-os total ou parcialmente, proveniente da percolação de águas de superfície ou da precipitação.
Água de Irrigação
Água aplicada ao solo artificialmente, de forma a assegurar às plantações, necessidades de água não satisfeitas pela precipitação.
Água de Mesa
Água natural, caracterizada por uma baixa concentração de sais minerais e indicada para consumo humano, sem quaisquer restrições.
Água de Nascente
Água proveniente de uma formação subterrânea, de onde a água flui naturalmente até à superfície, podendo ser colectada na nascente ou através de um pequeno furo que canaliza a água da formação até à fonte.
Água de Percolação
Água vadosa, cuja circulação é dominantemente horizontal.
Água de Retenção
Água existente num meio poroso ou fissurado, que não é drenada pela acção da gravidade nem afectada por fenómenos de capilaridade.

O mesmo que água higroscópica, água aderente e água pelicular.

Água de Superfície
O mesmo que água superficial.
Água Desinfectada
Água isenta de microorganismos patogénicos.
Água Destilada
Água na sua forma mais pura, que foi purificada por destilação. Nestas condições, a água é composta por dois átomos de hidrogénio ligados a um átomo de oxigénio, não contendo nenhum outro elemento para além destes.
Água Disponível no Solo
Água do solo disponível para as plantas.

A quantidade de água disponível no solo pode ser calculada através da diferença entre a capacidade de campo e o coeficiente de emurchimento. Neste contexto, a água disponível no solo corresponde à capacidade útil de armazenamento.

Água Distrófica
Água pobre em nutrientes e com elevada concentração de ácido húmico.
Água do Mar
Água salgada proveniente do mar ou oceano.
Água do Oceano
Ver água do mar.
Água do Solo
Parte da precipitação que se infiltra no solo e fica retida na camada superior da zona de aeração, onde se fazem sentir influências diurnas e sazonais, podendo regressar à atmosfera através da evapotranspiração.
Água Doce
Água que ocorre naturalmente, com reduzida concentração de sais (geralmente inferior a 1000 ppm), cuja composição química é considerada adequada para consumo humano.

Ver classificação da água segundo o resíduo seco. Ver classificação da água segundo o TSD.

Água Doméstica
Fonte de água disponível para uso doméstico, geralmente distribuída por um sistema de tubulações.
Água DuraClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água que contém quantidades relativamente elevadas de minerais dissolvidos, principalmente sais de cálcio e de magnésio. Identifica-se facilmente por dificultar a formação de espuma nas lavagens com sabão.

De acordo com a classificação adoptada pelo Instituto Português de Hidrologia, da autoria de Fraústo da Silva e Maria Cândida, uma água dura é uma água cuja dureza varia entre 100 e 200 ppm de CaCO3.

Água Edáfica
Água contida na zona de aeração. Pode ser gravítica, higroscópica ou capilar.
Água Engarrafada
Água de origem subterrânea, captada ou de emergência natural, que apresenta características físico-químicas que permitem o seu engarrafamrento e comercialização para consumo humano.

No mercado das águas engarrafadas, distinguem-se três tipos: as águas lisas, as águas gasocarbónicas e as águas gaseificadas.

Água Estacionária
Água fóssil que foi introduzida nos aquíferos por infiltração, depois da formação destes, e que há milhares de anos foi separada do ciclo hidrológico, por confinamento, devido à sua baixa velocidade de escoamento.
Água Estagnada
Água com movimento muito lento ou praticamente imóvel devido à planura e impermeabilidade do solo.
Água Esterilizada
Água isenta de microorganismos vivos.
Água Fluvial
Água dos rios.
Água Fóssil
Água infiltrada num aquífero numa época passada, sob condições climáticas e morfológicas diferentes das actuais e armazenada desde então.

As águas fósseis são geralmente muito salinas, devido ao longo contacto que tiveram com as formações rochosas.

Uma água fóssil pode ser estacionária ou de imbibição. O mesmo que água de formação.

Água Fracamente MineralizadaClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água com mineralização total entre os 200 e os 1000 mg/l.

Ver classificação da água mineral segundo a mineralização total.

Água Freática
Água existente abaixo do nível freático, que faz parte de um aquífero livre.
Água Funicular
O mesmo que água higroscópica.
Água Gaseificada
Água mineral natural, engarrafada com gás carbónico adicionado.
Água Gasocarbónica
Água mineral natural, engarrafada com gás carbónico natural.
Água GravitacionalClique para ver a Imagem
O mesmo que água gravítica.
Água GravíticaClique para ver a Imagem
Água contida na zona não saturada, armazenada em poros interconectados, e que circula devido à acção exclusida da gravidade, até alcançar um substrato impermeável.

O mesmo que água vadosa e água gravitacional.

Água HigroscópicaClique para ver a Imagem
Água da zona não saturada, retida por forças de atracção eléctrica, formando porções isoladas, adsorvidas pelas superfícies dos grãos sólidos.

O mesmo que água aderente, água de adesão, água adsorvida e água pelicular.

Água HipersalinaClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água com elevada concentração de sais minerais dissolvidos

Geralmente considera-se que uma água é hipersalina quando a sua salinidade é substancialmente maior do que a da água comum do mar, ou seja superior a 35 000 ppm.

Ver classificação da água mineral segundo a mineralização total.

Água HipertermalClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água mineral que emerge a uma temperatura superior a 45ºC.

Ver classificação da água segundo a temperatura de emergência.

Água Hipogenética
O mesmo que água juvenil.
Água HipossalinaClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água com baixa concentração de sais minerais dissolvidos

Geralmente considera-se que uma água é hipossalina quando a sua salinidade é substancialmente inferior à da água comum do mar.

Ver classificação da água mineral segundo a mineralização total.

Água HipotermalClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água mineral que emerge a uma temperatura inferior a 25ºC.

Ver classificação da água segundo a temperatura de emergência.

Água Incrustante
Água que tende a precipitar o carbonato de cálcio por se encontrar sobressaturada em calcite.
Água Interceptada
Parte da precipitação que é interceptada pelas folhas das árvores e plantas ou depressões das superfícies impermeáveis do solo.
Água Intersticial
Água contida nos interstícios de uma rocha ou solo.

Água Juvenil
Água que nunca esteve em contacto com a hidrosfera, que provem do interior da Terra e resultante da fase final da consolidação de magmas.

O mesmo que água primitiva. Distingue-se da água vadosa pelo seu teor em trítio.

Água Leve
Água comum, pobre em deutério.

Uma água normal consiste em dois átomos de hidrogénio e um átomo de oxigénio enquanto que uma água pesada consiste em dois isótopos de hidrogénio (deutério) e um de oxigénio.

Água Ligeiramente DuraClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água com dureza compreendida entre 50 e 100 ppm de CaCO3.
Água Lisa
Água mineral natural sem gás, que é engarrafada tal como é captada.
Água Livre
O mesmo que água gravítica.
Água Lixiviante
Água que percolou através da zona não saturada, arrastando consigo materiais dissolvidos e em suspensão.
Água Macia
Água sem dureza significativa.
Água Magmática
A água magmática ou vulcânica é a que se liberta das emissões de lava, gases vulcânicos, etc. Este tipo de água pode ser cloretada sódica, pode conter teores anormalmente elevados de Li+, Fl-, SiO2, B, S2-, CO2 e baixos teores de I-, Br-, Ca2+ e NO3-.
Água Marinha
Água do mar ou oceano ou água subterrânea que já fez parte do mar ou oceano e que manteve as características químicas essenciais de uma água do mar.
Água Medicinal
Ver água mineromedicinal.
Água MesossalinaClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água moderadamente salobra.

Ver classificação da água mineral segundo a mineralização total.

Água MesotermalClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água mineral que emerge com uma temperatura compreendida entre os 25 e os 35ºC.

Ver classificação da água segundo a temperatura de emergência.

Água Metamórfica
Água libertada dos sedimentos durante o processo de metamorfismo. Pode conter elevados teores de CO2, HCO3- e B. Quando atinge rapidamente a superfície pode apresentar temperaturas elevadas.
Água Meteórica
Água subterrânea proveniente da precipitação e atmosfera. Caracteriza-se facilmente por possuir alguns radioisótopos de vida não muito grande, de origem atmosférica, e uma composição isotópica semelhante à das águas da chuva.
Água Mineral
Água proveniente de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas, com composição química ou propriedades físicas ou físico-químicas distintas das águas comuns. Caracteriza-se por possuir uma elevada quantidade de elementos dissolvidos, acreditando-se vulgarmente, ter efeitos benéficos para a saúde. As águas minerais estão geralmente relacionadas com a circulação profunda e/ou fenómenos vulcânicos ou orogénicos.

Água Minero-Industrial
Água que permite a extracção económica das substâncias que contém.
Água Minero-Medicinal
Água de ocorrência natural, com propriedades curativas reconhecidas.
Água Minero-Termal
O mesmo que água termo-mineral.
Água Mole
Águas com baixa concentração de sais.
Água Muito Dura
Água com dureza superior a 200 ppm de CaCO3.
Água Natural
Água fornecida por um poço ou furo artesiano sem que se tenha verificado qualquer adição ou remoção de minerais.
Água para Abastecimento Humano
Água fornecida a populações urbanas e rurais, com características físico-químicas específicas, de acordo com os limites máximos recomendados.
Água para Abastecimento Industrial
Água que é fornecida para as mais diversificadas actividades industriais.
Água para Abastecimento Rural
Água que é fornecida a populações rurais.
Água para Abastecimento Urbano
Água que é fornecida a populações urbanas.
Água para Irrigação
Água que é fornecida para actividades agrícolas.
Água Parada
O mesmo que água estacionária.
Água Pelicular
O mesmo que água higroscópica e água aderente.
Água Pesada
A água pesada (D2O), que também pode ser chamada de óxido de deutério, é uma água que contém uma proporção significativamente maior de átomos de hidrogénio pesado (deutério) em relação aos átomos de hidrogénio.

O teor em deutério é determinado pela composição geológica do terreno ou região de onde a água provém.

Água Pluvial
Água proveniente da precipitação que se acumula natural ou artificialmente.
Água Poluída
Água cuja qualidade física, química e bacteriológica foi alterada artificialmente, tendo sido ultrapassados os limites ou padrões preestabelecidos para determinado fim.

Uma água pode ser considerada poluída para um determinado fim e não poluída para outro.

Água Potável
Água livre de impurezas que possam causar doenças ou efeitos fisiológicos indesejáveis, considerada adequada para consumo humano.
Água Primitiva
Água existente numa rocha desde a época da sua formação.
Água Profunda
Água que se encontra abaixo da zona vadosa, que circula por difusão. As águas profundas são geralmente encontradas em jazigos petrolíferos.
Água Recente
O mesmo que águas meteórica e água vadosa.
Água Residual
Água ou resíduo líquido rejeitado depois de ter sido utilizada em actividades domésticas, comerciais ou industriais e que contém resíduos sólidos ou líquidos, com potencialidade de causar poluição.

O grau de impureza pode ser muito variado, em função do tipo de utilização, e seu o tratamento é feito por meios mecânicos, químicos e biológicos.

Água SalgadaClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água que contém cloretos e sulfatos em quantidades equivalentes ou muito próximas da água do mar.

Na natureza são frequentes as formações que contêm água salgada. A sua origem é geralmente marinha, podendo também estar associada a águas de infiltração de mares interiores ou à dissolução de rochas evaporíticas que se encontrem entre os sedimentos.

Ver classificação da água segundo o resíduo seco. Ver classificação da água segundo o TSD.

Água Salina
O mesmo que água salgada.
Água SalobraClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água que apresenta um conteúdo de sais dissolvidos que excede os padrões normalmente aceites para usos domésticos, irrigação e abastecimento, mas numa proporção significativamente menor que o da água do mar. Geralmente a concentração do total de sais dissolvidos está compreendida entre 1 000 e 10 000 ppm.

Ver classificação da água segundo o resíduo seco. Ver classificação da água segundo o TSD.

Água Servida
Água de abastecimento de uma comunidade, rejeitada após variadas utilizações. Geralmente corresponde aos esgotos, embora também possa resultar da mistura de resíduos ou despejos domésticos com águas superficiais ou subterrâneas.
Água Sobressaturada
Água cuja concentração de matéria dissolvida está acima da constante de equilíbrio. Trata-se de uma situação instável que tende a provocar a precipitação.

Geralmente as águas sobressaturadas são originadas pela queda da temperatura e/ou pressão.

Água SubsuperficialClique para ver a Tabela ou Gráfico
Toda a água que ocorre abaixo da superfície do solo, incluindo a água do solo, a água capilar e a água subterrânea.
Água Subterrânea
Água do subsolo que ocupa a zona saturada. Corresponde à parte da precipitação que se infiltrou no solo e atingiu os sistemas aquíferos.

A água subterrânea resulta de uma acumulação ao longo de períodos de tempo variáveis, entre meses e milhares de anos, não se encontrando directamente exposta às condições climáticas. Move-se muito lentamente, podendo emergir nos rios, lagos e oceanos ou abastecer furos e poços.

As águas subterrâneas apresentam, geralmente, composição química, pH e mineralização total dentro dos parâmetros exigidos pela lei, podendo ser utilizadas directamente sem qualquer tratamento, na grande maioria dos casos

. Actualmente, a água subterrânea assume um papel primordial no desenvolvimento socio-económico, viabilizando as mais diversas actividades e constituindo, por vezes, a única fonte de água para o abastecimento urbano, industrial e agrícola.

Água Subterrânea de Adesão
Porção da água subterrânea que adere à parede das captações. A água subterrânea de adesão é considerada igual à quantidade de água residual depois da drenagem.
Água Subterrânea Não Poluída
Água subterrânea no seu estado natural ou praticamente não afectada por actividades humanas.
Água Superficial
Água que se escoa ou acumula na superfície terrestre, em lagos, rios e represas, renovando-se em períodos muito curtos. Os aportes dependem da precipitação e as perdas por evapotranspiração são contínuas, por esta água estar directamente exposta às influências dos agentes e factores climáticos, como é o caso da temperatura do ar, ventos, humidade relativa, insolação, etc.
Água Supergénica
Água descendente que origina jazigos supergénicos.
Água Suspensa
Água proveniente de um aquífero suspenso.
Água TermalClique para ver a Tabela ou Gráfico
Água mineral natural cuja temperatura de emergência é 4ºC mais elevada que a temperatura média anual do local onde emerge.

De acordo com a classificação adoptada pelo Instituto Português de Hidrologia, da autoria de Fraústo da Silva e Maria Cândida, uma água termal é uma água com temperatura de emergência entre 35 e 45ºC.

Ver classificação da água segundo a temperatura de emergência.

Água Termomineral
Água mineral com alto teor de sais minerais, cuja temperatura de emergência é 4ºC mais elevada que a temperatura média anual do local onde emerge.
Água Tratada
Água que foi submetida a um processo de tratamento com o objectivo de torná-la adequada para um determinado uso.
Água Turva
Água que apresenta partículas em suspensão, o que para além de diminuir a sua qualidade estética, pode implicar odor e sabor desagradáveis. Dependendo das substâncias em suspensão, pode pôr em risco a saúde pública.
Água Vadosa
Água situada na zona não saturada, acima do nível freático. O mesmo que água meteórica.
Água Vulcânica
O mesmo que água magmática.
Aguaceiro
Chuvada intensa que cai repentinamente.
Águas Altas
Ver período de águas altas.
Águas Baixas
Ver período de águas baixas.
Águas Interiores
Águas lacustres ou correntes existentes à superfície do solo (estuários, cursos de água, lagoas, albufeiras, sapais e salinas) e águas subterrâneas que se encontram entre a terra e a linha de base a partir da qual são marcadas as águas territoriais costeiras.
Águas Residuais Domésticas
Efluentes líquidos provenientes de serviços e instalações residenciais e que derivam dos usos domésticos da água.
Águas Residuais Industriais
Efluentes líquidos que derivam de actividades industriais.
Águas Residuais Urbanas
Efluentes líquidos domésticos que podem estar misturados com efluentes industriais e águas pluviais.
Águas Territoriais
Águas constituídas pelo mar territorial e águas interiores.
AIH
Sigla usada pela Associação Internacional de Hidrogeólogos.
AIH-GP aih-gp grupo aih-gp
Sigla usada pelo Grupo Português da Associação Internacional de Hidrogeólogos.
Alcalinidade
É a medida total das substâncias presentes numa água, capazes de neutralizarem ácidos. A alcalinidade é devida principalmente aos carbonatos e bicarbonatos e, secundariamente, aos iões hidróxidos, silicatos, boratos, fosfatos e amónia.

A determinação da alcalinidade de uma água pode fazer-se por titulação com uma solução aferida de um ácido forte. A alcalinidade da água é muitas vezes expressa empregando-se os termos TA e TAC. A diferença entre a alcalinidade TA e a alcalinidade TAC consiste no facto de a primeira corresponder ao valor determinado na titulação, utilizando a fenolftaleína como indicador, enquanto que, na segunda, utiliza-se o alaranjado de metilo como indicador.

Utilizando a fenolftaleína como indicador, detecta-se o ponto de equivalência correspondente ao bicarbonato, o que permite medir a alcalinidade devida ao hidróxido e metade da alcalinidade devida ao carbonato. Utilizando o alaranjado de metilo detecta-se o ponto de equivalência correspondente ao ácido carbónico, o que permite medir a alcalinidade total. A alcalinidade expressa-se em grau francês (ºF) ou miligramas de carbonato de cálcio por litro (ou ppm de CaCO3).

Alcalinidade Simples
O mesmo que alcalinidade TA.
Alcalinidade TA
Medida da alcalinidade até pH igual a 8,3.

Este valor é determinado por titulação utilizando a fenolftalaína como indicador, o que permite medir a alcalinidade devida ao hidróxido e metade da alcalinidade devida ao carbonato.

O mesmo que alcalinidade ou alcalinidede simples.

Alcalinidade TAC
Medida da alcalinidade até pH igual a 4,5.

Este valor é determinado por titulação utilizando o alaranjado de metilo como indicador, o que permite medir a alcalinidade total.

O mesmo que alcalinidade total.

Alcalinidade Total
alcalinidade produzida por todos os iões presentes numa água.

O mesmo que alcalinidade TAC.

AlgarClique para ver a Imagem
Cavidade natural em formações carbonatadas que se inicia por um poço vertical.
Algorítmo
Conjunto de equações matemáticas bem definidas, aplicadas para levar a cabo determinado processo.
Alimentação de um Aquífero
Ver recarga de um aquífero.
Alinhamento de um Furo
Relativo ao eixo de um furo. Considera-se que um furo está alinhado quando o seu eixo é uma recta.

O nível de exigência em termos de alinhamento depende da profundidade do furo e do tipo de equipamento de bombeamento utilizado. Quando os furos são profundos e as bombas têm um eixo prolongado, torna-se imprescindível um alinhamento perfeito.

Ver verticalidade.

Altimetria
Ramo da geodesia que trata da medição de altitudes e elevações na superfície terrestre. Numa carta, a altimetria é representado por curvas de nível, cotas, cores hipsométricas, relevo sombreado, etc.
Altitude
Distância vertical de um ponto na superfície da Terra até uma superfície de referência, geralmente o nível médio da água do mar.
Altura da Boca do Furo
Altura da coluna de revestimento de um furo, acima da superfície topográfica.

A altura da boca de um furo é um factor importante na prevenção da qualidade da água subterrânea, sendo recomendável uma altura mínima de 30 centímetros.

Altura de Água
Altura da superfície livre da água relativamente a um plano horizontal de referência.
Altura Piezométrica
Altura de uma coluna de água medida num piezómetro, que corresponde à pressão hidrostática no local de medição.

O mesmo que carga piezométrica e carga hidráulica.

Alumínio
O alumínio (Al) é o elemento químico metálico mais abundante da crosta terrestre. Dada a sua elevada afinidade com o oxigénio, não é costume encontrá-lo como substância elementar mas, sim, em formas combinadas.

O Alumínio apresenta uma enorme variedade de características adequadas às mais diversas aplicações industriais: é leve, estável, resistente à corrosão, tem elevada condutividade eléctrica e térmica, etc.

Geralmente é reconhecido como um elemento inocente, que não causa efeitos prejudiciais à saúde. Contudo, algumas pessoas manifestam alergia ao alumínio, sofrendo dermatites por contacto, e também desordens digestivas ao ingerir alimentos cozinhados em recipientes de alumínio. O alumínio causa problemas nos rins de pacientes em processo de diálise. O consumo ou exposição a grandes quantidades pode causar danos no sistema nervoso central, perda de memória, apatia, tremores, etc.

O Alumínio é um dos elementos contidos na chuva ácida, que contamina plantas, peixes, aves, seres humanos, rios, lagos, solos e águas subterrâneas.

Amónia
Substância química de fórmula NH3. A amónia é um gás incolor, não inflamável, com odor característico e sufocante. É tóxica, corrosiva e muito solúvel em água. Quando dissolvida em água, recebe o nome de hidróxido de amónio.

A amónia é utilizada na produção de vários compostos nitrogenados, produção de ácido nítrico, indústria de fertilizantes, indústria farmacêutica, indústria de explosivos, indústria de plásticos, etc.

A amónia pode estar presente naturalmente em águas superficiais ou subterrâneas. Geralmente a sua concentração é bastante baixa devido à sua fácil adsorção por partículas do solo ou à oxidação a nitrito e nitrato. Concentrações elevadas podem derivar de fontes de poluição ou da redução de nitrato por bactérias ou iões ferrosos presentes no solo.

O gás de amónia pode ser sufocante e extremamente irritante para os olhos, garganta e aparelho respiratório. Dependendo do tempo e grau de exposição, podem ocorrer efeitos que vão de suaves irritações a severas lesões. A exposição prolongada a concentrações bastante elevadas pode ser fatal.

O mesmo que azoto amoniacal.

Amoníaco
O mesmo que hidróxido de amónia.
Amónio
O amónio (NH4+) é uma forma iónica do azoto.

O ião amónio é a forma preferencial de azoto inorgânico para as atividades de bactérias e fungos, estando presente na água como NH4+ e NH4OH, cuja proporção, depende da temperatura e do pH.

Amostra
Parte ou porção representativa de um conjunto ou população, que vai ser medida, testada ou analisada.
Amostra de Água Subterrânea
Volume de água colhida para análise laboratorial, considerada representativa da formação de onde provém.

As amostras devem ser acondicionadas, transportadas e manipuladas de forma a que se mantenham inalteradas as propriedades e características da água.

Amostrador
Dispositivo utilizado para a recolha de amostras/a>.
Amostragem
Processo ou método de recolha de uma quantidade de amostras/a> representativas de um sistema.
Amostragem de Água Subterrânea
Amostragem que tem como objectivo o estudo de um determinado aquífero ou zona, o controle de variações temporais na composição ou a definição de determinadas características locais, tendo em vista a utilização da água subterrânea para determinado fim ou um estudo particular.
Amplitude de Maré
É a diferença entre os níveis das águas na praia mar e baixa mar.
Amplitude Térmica
Diferença em graus entre as médias das temperaturas mais baixas e as médias das temperaturas mais altas. A medição da amplitude térmica pode ser efectuada em termos diários, mensais ou anuais.
Análise Bacteriológica da Água
Exame que identifica e quantifica as bactérias eventualmente presentes numa água. É um tipo de análise que dá indicações relativas à potabilidade de uma água, sob o ponto de vista bacteriológico.

O factor determinante neste tipo de exames é a presença de coliformes totais e coliformes fecais que, não devem existir nas águas potáveis, por serem indicadores da potencial presença de bactérias patogénicas.

Análise Completa da Água
Análise de uma água, que inclui a determinação de parâmetros físicos, químicos e bacteriológicos.
Análise de Frequência
Procedimento estatístico que envolve a interpretação de registos hidrogeológicos antigos para estimar comportamentos futuros.
Análise Fisica da Água
Análise das propriedades físicas de uma água>.
Análise Fisico-Química da Água
Procedimento laboratorial que visa a caracterização físico-química de uma água. Em termos físicos faz-se a determinação das características físicas da água como a cor, turbidez, sabor, odor, temperatura, etc. As características químicas são determinadas pela presença de substâncias químicas provenientes dos terrenos por onde a água passou, como por exemplo o cálcio, ferro, magnésio, etc.

A análise físico-química de uma água deve ser feita o mais breve possível, de modo a evitar que a amostra de água se altere e perca as suas características físico-químicas originais. Alguns parâmetros devem ser determinados in situ, tais como a temperatura, condutividade eléctrica, dureza, pH, etc.

Análise Geoquímica
Estudo da distribuição e quantidade dos elementos químicos nos minerais, minérios, rochas, solos, água e atmosfera.
Análise Granulométrica
Análise que consiste na medição do tamanho dos componentes clásticos de um sedimento ou solo e das proporções relativas em que estes se encontram. As medições são expressas através de curvas de frequência, histogramas e curvas cumulativas. Os resultados além de possibilitarem uma descrição padronizada dos sedimentos analisados, podem permitir a interpretação dos processos de transporte e ambientes deposicionais.
Análise Incompleta da Água
Análise química da água onde apenas são efectuadas algumas determinações.
Análise Química da Água
Procedimento laboratorial que visa a identificação dos constituintes químicos de uma água. As análises químicas podem diferir muito de acordo com o fim a que se destinam. Muitas vezes realizam-se análises incompletas, onde só se realizam algumas determinações, como é o caso de muitas análises industriais e de controle. Quando se pretende conhecer as propriedades químicas mais importantes de uma água, procede-se geralmente à determinação dos iões principais e de alguns parâmetros de caracterização geral.
Análise Regional
Extensão a uma determinada região dos resultados de uma análise de dados pontuais.
Anião
Ião com carga negativa.
Anisotropia
Propriedade que se verifica quando as propriedades vectoriais de um corpo ou meio variam com a direcção.
Ano Chuvoso
O mesmo que ano húmido.
Ano Climatológico
Período contínuo de doze meses que corresponde a um ciclo climático completo e durante o qual são efectuadas medições meteorológicas. O ano climatológico é escolhido de forma a permitir uma comparação mais significativa dos dados meteorológicos, não coincidindo necessariamente com o ano do calendário.
Ano Hidrológico
Período de doze meses compreendido entre o início de duas estações de chuva consecutivas. O ano hidrológico é escolhido de forma a permitir uma comparação mais significativa dos dados, não coincidindo necessariamente com o ano do calendário.
Ano Húmido
Ano no qual as precipitações e níveis dos cursos de água são sensivelmente superiores relativamente ao ano normal ou ano médio.

O mesmo que ano chuvoso.

Ano Médio
O mesmo que ano normal.
Ano Normal
Ano durante o qual as precipitações ou níveis dos cursos de água são aproximadamente iguais às médias observadas durante um longo período de observações.
Ano Seco
Ano durante o qual as precipitações ou níveis dos cursos de água são inferiores ao ano normal ou ano médio.
Anomalia Geoquímica
Concentração anormal de um ou mais elementos químicos num formação rochosa, solo, formação aquífera, etc.
Antrópico
Termo que se refere à interferência ou acção do Homem sobre a natureza.
Antropogénico
Induzido, causado ou alterado pela presença e/ou actividade do Homem.
Aproveitamento da Água Subterrânea
Conjunto de operações e estudos posteriores à prospecção ou pesquisa de água subterrânea, que permitem a sua extracção e aproveitamento económico.

A exploração ou pesquisa de água subterrânea implica a construção de obras de captação, geralmente furos verticais, e a monitorização da exploração. O aproveitamento racional da água subterrânea deve seguir normas técnicas adequadas, que garantam um bom aproveitamento e, simultaneamente, a protecção e preservação do recurso, tanto em termos de qualidade como de quantidade. Isso implica, necessariamente, o conhecimento profundo da litologia que constitui um aquífero, espessura, parâmetros hidrodinâmicos, direcção, sentido e velocidade do fluxo da água, identificação de zonas de recarga e descarga, relação com outros aquíferos, definição de perímetros e zonas de protecção, etc.

O mesmo que exploração da água subterrânea.

Aproveitamento de Recursos Hídricos
Empreendimento que compreende estudos, investigações, construções, operações e manutenção de obras para o desenvolvimento e utilização de recursos hídricos.
Aproveitamento Múltiplo da Água
Aproveitamento da água de modo a atender mais do que uma finalidade.
Aproximação de Boussinesq
Extensão da aproximação de Dupuit para aquíferos com fluxo não estacionário.
Aproximação de Dupuit
Num escoamento subterrâneo permanente, sensivelmente horizontal, admite-se que as linhas de corrente são horizontais, que as equipotenciais são verticais e que o gradiente hidráulico é constante ao longo de uma vertical e igual ao declive da superfície freática.
Aproximação de Ghyben-Herzberg
Simplificação que consiste em assumir que a água doce subterrânea está em equilíbrio hidrostático com a água do mar, ou seja, que não há efeitos das marés.

Ver equação de Ghyben-Herzberg.

Aproximação de Jacob
Aproximação baseada na truncatura da série que permite calcular a função do poço para aquíferos confinados quando o argumento é inferior a 0,01.

Na prática, utiliza-se esta aproximação para valores de u inferiores a 0,05 ou até mesmo para valores de u inferiores a 0,1.

Aproximação de Pavlovsky
Aproximação análoga à aproximação de Dupuit, mas que admite que as linhas de corrente são paralelas à base inclinada do aquífero.
Aproximação de Thornthwaite
Método utilizado para estimar a evapotranspiração que se baseia na utilização da temperatura como um índice de energia disponível para o processo.
Aquicludo
Formação geológica que, embora porosa e capaz de armazenar água, transmite a água a velocidades bastante reduzidas, não sendo possível a sua exploração em termos económicos.
Aquífero
Estrato ou formação geológica que permite a circulação da água através dos seus poros ou fracturas, de modo a que o Homem possa aproveitá-la em quantidades economicamente viáveis tendo em conta um determinado uso.

O mesmo que reservatório de água subterrânea.

Aquífero AluvialClique para ver a Imagem
O mesmo que aquífero aluvionar.
Aquífero AluvionarClique para ver a Imagem
Aquífero formado em materiais não consolidados, depositados pela água (depósitos aluvionares), tipicamente adjacentes a cursos de água, com os quais geralmente mantêm conexão hidráulica.

O mesmo que aquífero aluvial.

Aquífero Anisótropo
Aquífero cujas propriedades hidráulicas variam em função da direcção considerada.
Aquífero Artesiano
O mesmo que aquífero confinado. Muitas vezes, este termo é utilizado como sinónimo de um aquífero onde a água tem pressão suficiente para atingir a superfície e jorrar devido ao artesianismo (aquífero artesiano repuxante).
Aquífero Artesiano RepuxanteClique para ver a Imagem
Aquífero artesiano ou confinado cujo nível piezométrico ultrapassa a superfície do terreno.
Aquífero Artesiano SurgenteClique para ver a Imagem
O mesmo que aquífero artesiano repuxante.
Aquífero Carbonatado
Aquífero encontrado em formações rochosas calcárias e dolomíticas. Este tipo de aquíferos apresenta tipicamente águas de dureza elevada, ou seja, com elevados teores de cálcio e magnésio.
Aquífero CársicoClique para ver a Imagem
Aquífero que ocorre em rochas solúveis, geralmente zonas calcárias e dolomíticas, onde acções mecânicas e químicas originam cavidades de dissolução (dissolução do carbonato da rocha pela água) que podem atingir grandes dimensões. Quando há conexão hidráulica entre as diversas cavidades de dissolução, podem constituir-se verdadeiros cursos de água subterrânea, que permitem a circulação rápida da água.

Os aquíferos cársicos são extremamente vulneráveis à contaminação, podendo proporcionar caudais avultados, de forma irregular, no espaço e no tempo.

Aquífero Cativo
O mesmo que aquífero confinado.
Aquífero ConfinadoClique para ver a Imagem
Aquífero limitado superior e inferiormente por formações impermeáveis ou praticamente impermeáveis. Nos aquíferos confinados, a água está submetida a uma pressão superior à pressão atmosférica e todos os poros ou outros espaços estão completamente saturados de água.

Num furo que intersecte um aquífero confinado, o nível da água ou nível piezométrico subirá até estabilizar num determinado nível, devido ao peso das camadas confinantes sobrejacentes. Este fenómeno é conhecido por artesianismo.

Aquífero Confinado Drenante
Aquífero confinado cujas camadas confinantes apresentam características semi-permeáveis, podendo transmitir ou receber água de camadas adjacentes.
Aquífero Confinado não Drenante
Aquífero confinado cujas camadas confinantes são impermeáveis, não permitindo a passagem da água..
Aquífero Continental
Aquífero sem conexão hidráulica directa com o mar.

O mesmo que aquífero interior.

Aquífero Contínuo
Aquífero caracterizado por uma fase sólida constituída por grãos de forma e dimensão muito variadas, com espaços vazios de pequenas dimensões, ocupados por água, ar ou vapor de água (porosidade primária).

Os aquíferos contínuos estão associados a rochas sedimentares (com excepção dos calcários e dolomitos) e a sua maior ou menor potencialidade depende da percentagem de espaços vazios e da sua interconectividade.

Aquífero Costeiro
Aquífero situado numa zona costeira, com conexão hidráulica com o mar. Nestes aquíferos, a exploração da água subterrânea deve ser feita com as devidas precauções, de forma a evitar problemas de intrusão marinha.
Aquífero Descontínuo
Aquífero constituído por rochas duras cujos principais espaços vazios correspondem essencialmente a fracturas abertas (porosidade secundária), por onde circula a água.

Os aquíferos descontínuos estão associados a rochas ígneas e metamórficas e também a rochas calcárias e dolomíticas, que são rochas sedimentares com porosidade secundária, devida à formação de zonas de dissolução do carbonato.

Aquífero Drenante
Aquífero semi-permeável que permite a passagem de um fluxo de água para outro aquífero.

O mesmo que aquitardo.

Aquífero FissuradoClique para ver a Imagem
Aquífero que ocorre em formações geológicas que apresentam fissuras e fendas mais ou menos contínuas. Este tipo de aquíferos ocorre em rochas ígneas e metamórficas. A capacidade destas rochas armazenarem água depende da sua porosidade e permeabilidade, que por sua vez dependem da existência de fissuras ou fendas, da sua quantidade, abertura e intercomunicação.

Geralmente este tipo de aquíferos não fornece caudais muito avultados, permitindo apenas pequenas extracções locais.

O mesmo que aquífero fracturado.

Aquífero FracturadoClique para ver a Imagem
Aquífero geralmente associado a rochas ígneas e metamórficas. Neste tipo de aquíferos a água encontra-se em espaços representados por fissuras ou fracturas, juntas ou ainda em falhas e, em casos particulares, em vesículas, aberturas de dissolução, zonas de decomposição, etc.

O mesmo que aquífero fissurado.

Aquífero FreáticoClique para ver a Imagem
O mesmo que aquífero livre.
Aquífero Heterogéneo
Aquífero que pode apresentar espessura variável, mudanças laterais de fácies ou camadas de diferentes permeabilidades.
Aquífero Homogéneo
Aquífero que apresenta propriedades hidrogeológicas praticamente uniformes em toda sua extensão.
Aquífero Isótropo
Aquífero cujas propriedades hidráulicas não variam em função da direcção considerada.
Aquífero LivreClique para ver a Imagem
Aquífero onde existe uma superfície livre de água que está em contacto directo com o ar, ou seja, à pressão atmosférica. Este tipo de aquíferos são superficiais ou subsuperficiais, o que facilita a sua exploração, recarga e contaminação.

Num furo que atravesse, total ou parcialmente, um aquífero livre, o nível da água ou nível freático), coincidirá com o limite superior do aquífero, por a água estar à mesma pressão que a pressão atmosférica.

O mesmo que aquífero não confinado e aquífero freático.

Aquífero Multicamada
Aquífero constituído por várias camadas produtivas, separadas por aquicludos ou aquitardos.
Aquífero Não ConfinadoClique para ver a Imagem
O mesmo que aquífero livre.
Aquífero PorosoClique para ver a Imagem
Aquífero onde a água circula através dos poros de grandeza milimétrica que constituem o aquífero. Este tipo de aquíferos ocorre em rochas sedimentares consolidadas, sedimentos não consolidados e solos arenosos decompostos in situ. Os aquíferos porosos geralmente constituem aquíferos importantes, pelo grande volume de água que armazenam, e também por a sua ocorrência abranger grandes áreas.

Os aquíferos porosos de granulometria grosseira podem fornecer caudais muito avultados, particularmente quando têm conexão hidráulica com águas superficiais, apresentando ainda um apreciável potencial de autodepuração.

Aquífero Sedimentar
Aquífero formado por rochas sedimentares.
Aquífero Semi-Cativo
O mesmo que aquífero semi-confinado.
Aquífero Semi-ConfinadoClique para ver a Imagem
Aquífero adjacente a uma fina camada de material semi-permeável, através da qual pode ocorrer a recarga do aquífero.

O mesmo que aquífero semi-cativo.

Aquífero Semi-Livre
Aquífero que apresenta um comportamento intermédio, entre livre e semi-confinado.

A diferença entre um aquífero semi-livre e um aquífero semi-confinado é que no caso dos aquíferos semi-livres há um fluxo vertical de água, através de uma camada semi-permeável, não se podendo negligenciar o fluxo horizontal que ocorre nessa camada, enquanto que, no caso dos aquíferos semi-confinados, há um fluxo vertical de água, sendo negligenciável o fluxo horizontal.

Aquífero Sobreexplorado
Aquífero onde se verifica a diminuição do nível da água, devido à perfuração de um número exagerado de captações ou pela proximidade delas e da sua continuada exploração acima dos recursos renováveis.
Aquifero Superficial
O mesmo que aquífero livre ou aquífero freático.
Aquífero SuspensoClique para ver a Imagem
É um caso especial de um aquífero livre, formado sobre uma camada impermeável ou semi-permeável de extensão limitada, situada entre a superfície freática regional e a superfície do terreno.

Este tipo de aquíferos tem geralmente um carácter temporário, na medida em que drenam para o nível freático subjacente.

Aquífugo
Formação geológica que não apresenta poros ou interstícios interconectados, sendo por isso incapaz de absorver ou transmitir água, como é o caso de um maciço granítico não alterado.
Aquitardo
Formação geológica que, podendo conter quantidades apreciáveis de água, a transmitem muito lentamente, não sendo viável o seu aproveitamento económico. Em condições especiais, estas formações podem tornar-se muito importantes, por permitem a recarga vertical de aquíferos.
Ar
Mistura de gases e vapores incolores e inodoros que compõem a atmosfera terrestre. A sua composição à superfície terrestre é: 78% de azoto (N2)

21% de oxigénio (O2)

1% de quantidades reduzidas de hidrogénio, dióxido de carbono, vapor de água e gases raros (árgon, néon, xénon, crípton e hélio).

Um dos componentes mais importantes do ar e da maioria dos gases importantes em meteorologia é o vapor de água (H2O).

Área de Alimentação
O mesmo que área de recarga.
Área de Captação
Área envolvente a uma captação ou conjunto de captações, dentro da qual se verifica que a água se desloca na direcção da captação.
Área de Descarga
Área onde a água subterrânea é descarregada para a superfície terrestre ou para um corpo de água superficial.
Área de Drenagem
Projecção horizontal de um área drenada por determinado rio.
Área de Influência
Área circundante a um furo de bombagem, onde se observam rebaixamentos crescentes do nível da água no sentido da captação.

O mesmo que zona de influência.

Área de RecargaClique para ver a Imagem
Zona que contribui para a realimentação de um aquífero por infiltração directa e/ou infiltração subsequente ao escoamento.

O mesmo que área de alimentação e zona de recarga.

Área Geotérmica
Zona da crosta terrestre onde é possível explorar a energia contida no seu interior, sob a forma de calor natural. São locais onde ocorrem vulcões, géiseres ou fontes de água quente, ou seja, locais onde o gradiente geotérmico é muito elevado.
Armazenamento
Retenção da água em reservatórios subterrâneos ou de superfície.
Armazenamento Específico
Parâmetro que corresponde ao volume de água que pode ser libertado pela unidade de volume do aquífero, devido ao rebaixamento unitário da altura piezométrica.

A expressão proposta por Jacob para a determinação do armazenamento específico é a seguinte:


Armazenamento Subterrâneo
Armazenamento de água em aquíferos ou reservatórios de água subterrânea.
Armazenamento Superficial
Fracção da água proveniente da precipitação que, ao atingir a superfície da Terra fica retida em lagos, charcos ou pequenos sulcos e que, na sua maioria, volta a evaporar-se rapidamente para a atmosfera.
Arsénio
O Arsénio (As) é um elemento químico muito perigoso para a saúde pública. É cancerígeno e o seu limite de aceitação é de 0,05 mg/l. A ingestão de 100 miligramas envenena seriamente o organismo humano.

As principais fontes antrópicas deste elemento são os insecticidas, herbicidas e os resíduos industriais à base de arsénio. Também existem fontes naturais de arsénio, principalmente jazidas de metais onde este elemento é encontrado sob a forma de arsenite.

Artesianismo
Fenómeno observado em nascentes naturais ou captações quando a água emerge, sob pressão natural, acima do aquífero que a contém, ou seja, quando o nível piezométrico ultrapassa o tecto do aquífero.

Por vezes, verifica-se que o nível da água pode mesmo ultrapassar a superfície do terreno. Nestas circunstâncias, este fenómeno passa a designar-se artesianismo repuxante.

Artesianismo Repuxante
Fenómeno observado em nascentes naturais ou captações, quando o nível piezométrico ultrapassa o nível topográfico.

O mesmo que artesianismo surgente.

Artesianismo Surgente
O mesmo que artesianismo repuxante.
Ascenção CapilarClique para ver a Imagem
Movimento ascendente da água acima do nível freático devido à acção da capilaridade.
Associação Internacional de Hidrogeólogos
Associação científica, educacional e sem fins lucrativos, criada em 1956 para promover o estudo, o conhecimento e a cooperação no âmbito da hidrogeologia.
Atenuação
Mecanismo de redução da concentração de contaminantes na água subterrânea através de vários processos, como é o caso da filtração, biodegradação, diluição, absorção e volatilização.
Atenuação Natural
Processo natural de degradação microbiológica e anaeróbica, que recorre apenas aos micróbios presentes, naturalmente, para reduzir a concentração dos poluentes em águas contaminadas.
Aterro SanitárioClique para ver a Imagem
Sistema adoptado para a deposição final dos resíduos sólidos urbabos sobre a terra, os quais são espalhados, compactados e diariamente cobertos com terra.

A construção de aterros sanitários obedece a padrões técnicos adequados de impermeabilização do solo, tratamento de efluentes e cobertura dos resíduos, de forma a evitar riscos de contaminação e a proteger a saúde humana e o ambiente.

Autodepuração
Capacidade de um corpo ou substância, designadamente a água, de se auto purificar ou recuperar as suas qualidades ecológicas e sanitárias, através de processos naturais (físicos, químicos e biológicos), depois de receber uma carga poluidora.

O mesmo que depuração natural.

Avaliação do Impacto Ambiental
Instrumento de política ambiental formado por um conjunto de procedimentos técnicos e científicos, capazes de assegurar, desde o início de um determinado processo, que seja efectuado um exame sistemático dos impactos ambientais provocados por uma determinada acção ou projecto proposto e suas alternativas e cujos resultados são apresentados de forma adequada ao público e responsáveis pelas tomadas de decisão, de forma a garantir a protecção do meio ambiente.
Azoto
É um gás inerte, incolor, inodoro e insípido, que constitui o principal componente da atmosfera terrestre (cerca de 78%, em volume).

O azoto apresenta-se sob várias formas: nitrato(NO3-), nitrito (NO2-), amónia (NH3), ião amónio (NH4+), óxido nitroso (N2O), azoto molecular (N2), azoto orgânico dissolvido, azoto orgânico particulado, etc.

As formas combinadas de azoto são as que apresentam mais interesse na composição química das águas.

Azoto Amoniacal
Relativo ao azoto que ocorre tanto sob a forma de amónia - NH3 como sob a forma de ião amónio- NH4+.
Página Inicial  Pesquisa | Contactos | Bases de Dados Online | SIG Online | Museu Geológico | INETI © 2006  e-Geo - Sistema Nacional de Informação Geocientífica / INETI